psicologa campinas - psicoterapeuta campinas - terapia campinas - psicologo campinas - psicoterapia campinas

A GESTALT -TERAPIA HUMANISTA

   Para a Gestalt-terapia o contexto social é fundamental para o entendimento da dinâmica de vida do cliente e as formas de cuidado, pois este contexto, em que o indivíduo está inserido, devem sempre ser considerados, uma vez que tem extrema influência em sua subjetividade.

   Ter conhecimento desta dinâmica nos dá acesso a um maior entendimento sobre o todo (indivíduo e meio), e isso possibilita que a psicoterapia seja trabalhada de forma mais eficaz e ampla, não ignorando o mundo em que o indivíduo está e podendo assim contribuir para uma vida mais saudável em todos os âmbitos.

   O método da psicoterapia é o "aqui e agora" onde o que é trazido na seção é o que será trabalhado, sem programação prévia por parte do psicoterapeuta, o que possibilita a este estar com a atenção plena voltada para o cliente e o que este trás, promovendo assim uma relação de igualdade, respeito, parceria e ética durante o atendimento.

  A Gestalt-terapia tem como base o Existencialismo e a Fenomenologia. O existencialismo preconiza que o homem é um ser livre, e como consequência de sua liberdade é responsável por sua vida. Logo, o homem se compõe a partir de suas vivencias, e tem o livre arbítrio para as suas escolhas. Assim como diz Sartre, o “pai” do existencialismo “o importante não é o que fazem de nós, mas o que nós

fazemos do que fizeram de nós”. Ou seja, devemos ter aconsciência de nossas escolhas e nos responsabilizarmos pelas consequências destas. 

   A fenomenologia para a Gestalt só é possível quando existe o contato entre consciência e objeto do fenômeno. O Humanismo descreve o homem como o criador do seu próprio ser, pois o ser humano, ao longo de sua vida, gera a sua própria história. Para compreender o indivíduo é fundamental saber do meio em que este está inserido, pois não podemos separar este do meio que compões a sua existência, e conhecer o mundo do indivíduo não consiste em o conhecer plenamente, existe acesso a partes do todo, mas não ao todo por completo.

 

No atendimento não há julgamentos ou valores, mas sim duas pessoas focadas em uma só: o cliente.